Ilustração: Caio Vítor - http://caioisdoodlin.tumblr.com

É certo que ter um bom goleiro é fundamental para qualquer time que se preze. Mas nem São Marcos, Rogério Ceni ou Buffon são super-heróis, conseguindo salvar a pátria a todo momento. A segurança que um time precisa para jogar bem e para frente é dada também pelos zagueiros. E esse é exatamente o papel dos sistemas físico-energéticos do Baço (脾 – ) e do Estômago (胃 – Wéi), no entendimento da medicina chinesa.

Nesse sistema, o Baço não trabalha sozinho, mas em conjunto com o Estômago (胃 – Wéi), como toda boa dupla de zaga. Quando estes trabalham perfeitamente, nosso (氣 – Energia), Xuè (血 – Sangue) e Jīn Yè (津液 – Fluídos Corporais) são gerados adequadamente, garantindo toda base da nossa saúde. Eles, dessa forma, não sobrecarregam o goleiro, gerando os recursos necessários para a formação e a manutenção de uma adequada Essência Pós-Celestial (后天之精 – Hou Tian Zhi Jingver artigo sobre o Goleiro).

O grande quarto zagueiro, o beque, o que vai pra cima dos atacantes adversários com toda sua garra é o Estômago. Ele é considerado a Víscera (腑 – F ǔ) mais importante da nossa fisiologia, pois recebe os alimentos e é responsável pela preparação física e energética deles para o posterior trabalho do Baço.

E, excetuando grandes times em ótimas fases, normalmente as bolas que são atrasadas para o último zagueiro são verdadeiros “tijolos”, bolas quadradas, na fogueira, e todo mundo espera que ele se vire com aquilo. E quando não tem outro jeito, todo zagueiro que se preze sabe a hora de dar aquele chutão pro mato (afinal o jogo é de campeonato!).

Da mesma forma o nosso Estômago recebe todo tipo de “tijolo” que jogamos para dentro. Especialmente no Ocidente, nós comemos industrializados cheios de conservantes, corantes e todo tipo de químicos e torcemos que o Estômago dê um jeito de transformar essas bobagens em nutrientes para todo o nosso time.

O Baço por sua vez tem funções energéticas vitais que não possuem dependência direta da sua anatomia e, por isso, não são consideradas na medicina ocidental. E a mais importante dessas funções é justamente transformar o que já foi trabalhado pelo Estômago em um tipo de Energia (Qi), chamado Energia dos Cereais (Gǔ Qì -谷氣), fundamental para toda a cadeia da formação das nossas Substâncias Vitais: Essência (Jīng – 精), Sangue (Xuè – 血), Fluídos Corpóreos (Jīn Yè – 津液), Energia (– 氣) e Mente (Shén – 神).

Ele é aquele zagueiro que faz o time começar a jogar. Que passa a bola com qualidade para o meio campo (Pulmão [肺 – Fèi], como veremos nos próximos artigos) ou até mesmo consegue fazer, com qualidade, uma ligação direta com o ataque (Coração [心 – Xīn], também veremos em artigos futuros).

Mas normalmente nós também não facilitamos a vida desse zagueiro. Além de atrasarmos bolas terríveis para o Estômago, nós fazemos esse sistema trabalhar nos horários mais absurdos. Tanto pela visão da medicina chinesa, como pela visão da medicina ocidental, é sabido que nosso metabolismo muda ao longo do dia, acelerando no período do dia (陽 – Yáng) e desacelerando no período da noite (陰 – Yīn).

Mas, como não queremos saber muito da saúde desses atletas, mandamos eles correrem dedicadamente próximo de nós irmos dormir, no horário que nosso metabolismo está atingindo o seu ponto mais lento. E ainda queremos dormir de forma bastante relaxada e acordarmos cheios de energia!

O que acontece na prática é que, como os nossos zagueiros nesse horário não possuem energia para cumprirem suas funções de forma adequada, eles se vêm obrigados a dar um chutão pro mato, ou seja, simplesmente tirar aquele alimento da frente. As formas mais práticas dos nossos zagueiros lidarem com esse alimento pesado numa hora inadequada é gerar o mais rapidamente possível gordura (e outros resíduos metabólicos conhecidos na medicina chinesa como Mucosidade – 痰饮 – Tán Yǐn) e fezes.

Por isso muitos pacientes apresentam diarréia ou fezes mal formadas cronicamente e também tanta dificuldade para emagrecerem. Além de outras formas de Mucosidade, como coriza, catarro alojado no Pulmão, corrimento, dentre outros.

Por outro lado, no horário que ambos estão se alongando, se aquecendo, de uniforme, prontos para correrem o campo todo pela gente (das 7hs às 11hs), muitos pacientes simplesmente não permitem nem que eles entrem em campo, ao não comerem nada, ou tomando um café da manhã extremamente pobre. Isso faz com que a geração de nutrição para o restante do dia fique comprometida. Além disso, sobrecarregamos as funções desse sistema, fazendo com que ele tenha de trabalhar em excesso nas demais refeições do dia. Especialmente à noite, quando todas as nossas funções declinam (Yáng), alimentar-se abundantemente e de alimentos pesados sobrecarrega muito os nossos zagueiros.

Quem sabe organizando melhor nossos horários de alimentação e procurando alimentos mais naturais, saudáveis e diversificados, a gente não consiga fazer com que nosso time tenha segurança e saia jogando com mais qualidade? O espetáculo ficará, certamente, mais bonito de se ver!

Leia os outros artigos da série:

Edgar Cantelli Gasparedgar@terapiaschinesas.com.br – Twitter: @edgarcantelli

3 thoughts on “Medicina Chinesa em campo – os zagueiros

  1. Moacyr

    Parabéns pelo texto, muito didático e criativo.
    Não vejo a hora de ler os próximos…
    Um abraço,
    Moacyr

  2. Laryssa Valente

    Estou adorandoos textos
    Estou aprendendo sobre medicina chines E futebol, ao mesmo tempo! rs

    1. riefi Post author

      Fico muito feliz que esteja gostando Laryssa! Beijo!

Leave a reply

required