Articles for abril 2013

O café na visão da Medicina Chinesa

caféO café é a bebida produzida mais consumida do mundo. Nós brasileiros consumimos em média 4,81 kg de café por ano, segundo dados de 2010 do Ministério da Agricultura. Esse foi o maior nível em 45 anos. Essa quantidade equivale a quase 81 litros da bebida por pessoa. Esses números aproximam o Brasil da Alemanha, cujo consumo é de 5,86 kg por habitante. O consumo brasileiro já é maior que o da Itália e da França, tradicionalmente grandes consumidores. Os maiores consumidores de café do mundo são os países nórdicos, como a Finlândia, Noruega e Dinamarca, cujo volume se aproxima dos 13 kg por pessoa ao ano.

Por conta de todo esse consumo e disseminação, os efeitos do café sobre a nossa saúde tem sido largamente pesquisados. Mas as conclusões obtidas por essas pesquisas, muitas vezes feitas sob um prisma muito estreito, tem sido, em geral, conflitantes. Numa pesquisa rápida na internet é fácil encontrar artigos apontando os malefícios do café, recomendando veementemente a sua retirada da ingestão cotidiana e outros apontando, também com bases cientificas, seus benefícios, chegando a considerá-lo, por exemplo, a chave da longevidade dos povos do mediterrâneo.

Por conta desse cenário, é importante saber dos efeitos do café sob o ponto de vista da medicina chinesa para termos uma visão mais abrangente. A primeira concepção que devemos ter é que o café, por ser um componente vegetal ingerido regularmente, é entendido como um fitoterápico. E como todo fitoterápico, possui efeitos específicos, podendo trazer benefícios concretos para pessoas que necessitam desse efeito e também produzir resultados indesejáveis para outras pessoas em outras condições de saúde.

O café faz parte parte da família das Rubiaceae, a qual pertencem vários outros fitoterápicos usados largamente na medicina chinesa, como o Zhī Zǐ (梔子), o BJi Tian (巴戟天) e o Gou Téng (鉤藤) . É interessante observar que, para possuirem efeitos terapêuticos, a dosagem média usada desses componentes deve ser entre 6 a 18 gramas diárias. Uma xícara típica de café é feita com 6 a 9 gramas. Se considerarmos a ingestão de uma a três xícaras de café por dia, ela estará dentre dessa faixa de efeito terapêutico.

O principal efeito do café é promover as funções do sistema físico e energético do Fígado (肝 – Gān). Dentre todas as funções deste sistema fisiológico, a que o café atua mais diretamente é na promoção da circulação do Qi (氣 – Energia) do Fígado (肝 – Gān). O Fígado (肝 – Gān), no entendimento da medicina chinesa, é responsável pelo direcionamento do fluxo de Qi (氣 – Energia) do nosso corpo. Como essa circulação energética é responsável pelo impulsionamento do Sangue (血 – Xuè), o Fígado (肝 – Gān) controla, assim, as diferenças de circulação de Sangue (血 – Xuè) que nosso corpo realiza ao longo do dia. Em outras palavras, quando corremos, é esse sistema que envia mais Qi (氣 – Energia) e Sangue (血 – Xuè) para as pernas. Quando comemos ele os direciona para o Estômago (胃 – Wèi). Para saber mais do papel do sistema do Fígado na nossa saúde, recomendo o nosso artigo “Medicina Chinesa em campo – o técnico”.

Facilmente essa função pode diminuir, o que chamamos de Depressão do Qi do Fígado (肝气郁 – Gān Qì Yù). Isso se deve especialmente aos padrões psíquicos de ansiedade, frustração e irritabilidade. Para saber mais sobre essa disfunção, recomendo o artigo “O gato toma leite, o rato come queijo e eu sou acupunturista”.

O café atua na estimulação dessa função e, por isso, seu efeito de rápida ação gerador de maior vitalidade física e psíquica. Isto acontece pois o Qi (氣 – Energia) e Sangue (血 – Xuè) circulam e são direcionados com mais eficácia. Um dos usos mais antigos do café na medicina chinesa é no tratamento para regularizar a menstruação atrasada nos casos em que o sistema do Fígado (肝 – Gān) não é capaz de direcionar com facilidade o Sangue (血 – Xuè) para o útero e nem promover o fluxo da menstruação.

Como efeito secundário, o café também atua no sistema físico e energético do Coração (心 – Xīn), também aumentando suas funções. Especificamente ele atua no efeito que chamamos tecnicamente de “abrir os orifícios do Coração (心 – Xīn)”. Esse é um termo metafórico para designar a ação deste sistema na manutenção da nossa consciência, especificamente no que diz respeito à nossa atenção e foco psíquico. Isso explica portanto o efeito do café no aumento do nosso foco e da nossa atenção.

O aumento dessas funções, porém, nem sempre é benéfico. Uma pessoa que já apresente uma hiperatividade das funções do Fígado (肝 – Gān) e do Coração (心 – Xīn) rapidamente sentirá os efeitos prejudiciais do café. Como ele intensificará ainda mais o fluxo da circulação em geral, aumentará, por exemplo, a pressão intracraniana, gerando enxaquecas. Outros sintomas comuns são: fotofobia, aumento do fluxo menstrual, aftas, acnes, irritabilidade, dentre outros. Como o Estômago (胃 – Wèi) receberá um aporte abrupto e exagerado de circulação, aumentando demasiadamente suas funções, o café facilmente  sintomas gástricos como queimação, refluxo e gastrite.

Por sua ação no Coração (心 – Xīn), o café pode provocar palpitações, excesso de transpiração, ansiedade, e por aumentar as funções psíquicas, pode provocar ainda insônia, euforia, memória comprometida e irritabilidade.

O mais importante, portanto, é conhecer-se. Saber que o café, como quase todo alimento, pode fazer bem ou mal. Isso depende do estado da nossa saúde naquele momento e da quantidade que ingerimos aquela substância. Se você tem dúvidas se o café, ou qualquer outro alimento ou hábito, pode estar lhe fazendo mal, recomendo fortemente que faça uma consulta com um bom profissional de medicina chinesa. Ele será capaz de identificar e lhe explicar a situação da sua saúde e que efeitos são gerados por determinado alimento ou hábito.

Edgar Cantelli Gaspar – edgar@terapiaschinesas.com.br
Twitter: @edgarcantelli

Dietologia chinesa na prática: receita de caldo de frango e noodles

Caldo de frango e noodles

Caldo de frango e noodles

Esse é o primeiro de uma nova série de posts nos quais pretendo dar algumas dicas práticas da dietologia chinesa, especialmente mostrando através de receitas, exemplos que como podemos comer bem, de forma equilibrada, saudável, deliciosa e prazerosa, fazendo a nossa própria comida. Sobretudo quero mostrar que, apesar de conhecer os fundamentos teóricos e técnicos da dietologia chinesa, não devemos comer teoricamente e nem tecnicamente. A comida deve ser sempre um prazer, tanto no fazer, como no comer, nunca tornando-se uma ciência fria, algo que se faz como se a comida fosse um remédio no qual é preciso dosar os componentes de uma fórmula. Isso deixamos para a fitoterapia chinesa.

Meu primeiro exemplo foi o almoço de hoje (domingo, 7 de abril de 2013). Ao invés das deliciosas macarronadas, a Helena, minha esposa, pediu que eu fizesse o “Caldo asiático de frango e noodles” do livro “Revolução na Cozinha” do incrível Jaime Oliver. Não consegui fazer a receita nos 17 minutos que ele diz, mas fiz em um pouco mais de 30 minutos. Bem tranquilo e rápido de fazer. Acima você pode ver a foto de como ficou o prato finalizado. Abaixo segue a receita completa retirada do livro.

Receita do caldo de frango e noodles. Clique para ver maior.

Receita do caldo de frango e noodles. Clique para ver maior.

Esse prato é um exemplo de nutrição gostosa pois temos em uma só receita a presença dos 5 sabores clássicos da dietologia chinesa: o azedo (e ácido), o amargo, o doce, o picante e o salgado. O aluno (ou ex-aluno) que me disser um ingrediente de cada sabor da receita ganha um carimbo especial no caderno! 🙂

Abaixo o Lucas, nosso filho de 4 anos, provando o caldo! Ele gostou tanto que até dançou no final!

Jpeg

Jpeg

Jpeg

Jpeg

 

Edgar Cantelli Gaspar – edgar@terapiaschinesas.com.br
Twitter: @edgarcantelli