Participação no Podcast do Mafagrafos.net sobre Aplicativos para Android

Destaque-para-site-240A tecnologia pode ser um motivo de desgaste no nosso dia a dia, colocando-nos num ritmo de trabalho, de estudo e de assimilação de informação extremo. Mas, quando bem usada, a tecnologia pode nos beneficiar enormemente, fazendo-nos ganhar tempo na vida para usufruir com mais facilidade das atividades que nos fazem bem e nos proporcionar também momentos de bem estar, como vimos no artigo sobre o enrijecimento físico e psíquico na terceira idade.

Foi com esse princípio que tive a honra de participar do primeiro episódio do podcast “Café com Mafagrafos” do site Mafagrafos.net, do meu amigo Rafael Schouery. Junto com nosso amigo, Luiz Corte Real, gravamos um programa sobre aplicativos essenciais para celulares com sistema operacional Android.

Para quem, como nós, gosta de tecnologia, fica a dica. Para ouvir e baixar o episódio, clique aqui.

Edgar Cantelli Gaspar – [email protected]
Twitter: @edgarcantelli

Entrevista sobre uso do iPad no trabalho para o blog Mafagrafos

Para quem que, como eu, gosta de unir conhecimentos tradicionais, como os da medicina chinesa, com as tecnologias modernas, fica a dica de uma entrevista que dei para o amigo Rafael Schouery, escritor do blog Mafagrafos, sobre o uso no meu dia a dia profissional do iPad. O site é uma excelente fonte de informações sobre tecnologia, tanto para leigos, como para profissionais da área.

Leia a entrevista, clicando aqui.

Edgar Cantelli Gaspar[email protected] – Twitter: @edgarcantelli

Iluminação de uma mente racional

Nesse link você vê uma palestra emocionante de uma cientista que, através de um evento trágico de saúde em sua vida, teve uma iluminação de como pode ser melhor a nossa vida. Vale a pena.

p.s.: obrigado ao meu amigo Harry, pela indicação.

Entrevista Mestre Liu Chih Ming

O terapeuta e a tradição taoísta

Um dos principais expoentes da medicina tradicional chinesa em nosso País, Liu Chih Ming é filho do grande mestre taoísta Liu Pai Lin e vice-presidente mundial pela Federação Mundial de Acupuntura e Moxabustão. Nesta entrevista, ele discute questões relativas à prática da acupuntura e à formação do terapeuta, sempre inspirado na ótica taoísta.

Qual sua visão sobre a ligação entre Taoísmo e acupuntura? Hoje em dia, com a abordagem médica, muita gente quer tornar a acupuntura uma técnica muito “científica”…
A acupuntura tem origem na China e origem no Taoísmo. Porque Taoísmo? Porque é a origem do Imperador Amarelo, que pode ser visto como um fundador do taoísmo e da acupuntura. Pela história, temos certeza de que a acupuntura começou com os taoístas. Segunda coisa: o taoísta tem suas próprias teorias, como a do yin/yang, a dos cinco elementos e, o mais importante, a teoria de canais energéticos. Isso significa o fundamento da acupuntura. Por isso todo mundo, quando quer aprender a verdadeira acupuntura, a essência da acupuntura tradicional chinesa, precisa conhecer o Taoísmo. Muitas pessoas hoje em dia, quando aprendem acupuntura, não estudam mais a teoria yin/yang ou a dos cinco elementos, então acabam perdendo muita coisa importantíssima – inclusive essa própria essência da acupuntura.

E de que forma isso pode interferir no trabalho do acupunturista?
Por exemplo, quando não conhece os cinco elementos, como você pode aprender técnicas avançadas, como a dos pontos de Shu Antigos, que se refere aos cinco pontos que pertencem acesso aos cinco elementos da natureza? Se você nega essa teoria, então não vai conseguir aprender esse tipo de técnica. Agora, há muitos acupunturistas que estão dizendo que aplicam as agulhas pelo método científico – isso acontece no mundo inteiro –, mas parece que no fundo querem é aprender acupuntura mais rápido, tipo “express”. Mas se você faz uso da acupuntura fora da visão da energia, fora dos cinco elementos, fora do yin/yang, não tem relação com a essência dos Antigos. Chamam de “acupuntura moderna”, mas não tem mais nada a ver com a tradicional. Porém felizmente ainda muitos pegam a base, sabem que existe a energia vital. De outra forma, não haveria nem mesmo a percepção da energia vital, mas apenas eletricidade, magnetismo, aparelhos. O terapeuta assim tem que confiar em aparelhos e não mais em uma energia mais delicada, mais profunda, mais humana. Essa energia não dá para pegar com bateria, com aparelho eletrônico.

Qual a sua opinião, então, sobre o uso dos aparelhos eletrônicos, como lasers, eletroacupuntura, etc?
Cada coisa tem seu próprio valor, portanto eu não gostaria de falar que isso é bom ou é ruim. Mas é importante que eu deixe claro que prefiro o modo natural. Em minha clínica não utilizo laser, por exemplo. O natural me parece o melhor tratamento, pois é sempre gradual, nunca forte nem rápido. Ao invés do laser, usamos a energia do paciente e do Universo.

E sobre a questão dos médicos, que durante muito tempo rejeitaram a acupuntura, rotulada de anticientífica, e que agora querem restringir o direito de aplicação das agulhas, no Brasil, apenas a quem é formado nas faculdades de medicina?
Esta pergunta eu prefiro não responder.

Segundo a visão taoísta, o terapeuta tem que cuidar de sua própria energia?
Isso é muito importante! Você precisa exercitar, ter seu próprio treinamento. De manhã deve praticar Tai Chi Chuan ou Chi Kung, tem que treinar os seis sons, para eliminar problemas do corpo e captar energia da natureza. Periodicamente você precisa ir a um lugar onde exista bastante energia. Quando recebe mais energia, tem mais poder para ajudar os outros. Outro fator importante é cuidar bem da alimentação. A qualidade de atendimento tem que ser olhada, pois é isso que garante seu ótimo resultado. O terapeuta não pode ir simplesmente tratando todos os clientes que chegam. Tem que definir um limite, porque isso também contribui para a qualidade do resultado.

Então tem que haver um controle no número de atendimentos, para manter a “bateria” do terapeuta sempre forte?
Sim, porque você vai gastando a sua energia e o outro vai recebendo. Como é possível você gastar sem limite? Não pode. Sua “bateria” se exaure e você tem que recarregar.

Pode-se dizer que as práticas de terapia despendem muita energia?
Despendem. Muita, mesmo. Qualquer terapeuta precisa partir desses princípios, pois sua energia está indo para outros, também.

Mas se o terapeuta não conhece ou pratica técnicas como o Tai Chi Chuan ou o Chi Kung, como ele deveria fazer?
Pode caminhar, por exemplo. Mesmo que não faça Tai Chi ou Chi Kung, caminhar também recarrega sua energia. Mesmo se vai para a praia, para a montanha, descansa, já é uma recarga. No mínimo, deve dormir bem!

Meditar é também um recurso importante para o terapeuta? E para o cliente?
Meditação é uma forma de prática que pode recuperar a energia do corpo humano, aumentando sua resistência. Ela tem a capacidade de nos relaxar totalmente, equilibrando o yin e o yang, o sangue e a energia vital – tanto do terapeuta como do paciente. A meditação pode também ajudar o espírito do terapeuta a ficar mais concentrado, promovendo a união entre ser humano, céu e terra. Desta forma ele pode aplicar sua intenção na terapia, atingindo resultados mais eficazes. Já para o paciente, a meditação ajudará bastante o corpo a melhor receber o tratamento. Portanto ambos os lados se beneficiam das práticas meditativas, harmonizando a essência, a energia e o espírito – segredos taoístas para se atingir saúde e serenidade.

Que outros conselhos ou dicas daria aos terapeutas?
A primeira coisa é que o terapeuta precisa cuidar de sua vida: alimentação, estilo de vida, evitar tomar friagem e vento, deixar tudo em equilíbrio, como um taoísta. Não abusar de sua energia, não gastar de forma desnecessária. A segunda coisa é manter nosso espírito centrado, não disperso, sempre conservando dentro do corpo essa luz do espírito, mantendo-a acesa, sem abusar nem gastar em demasia. Além disso, deve-se buscar também o equilíbrio de movimento e serenidade – isso significa que o terapeuta precisa praticar meditação e movimentos, como já vimos: Tai Chi, Chi Kung, ginástica, etc. Tudo isso é ótimo. E precisa sempre continuar estudando, sempre estudando. Sempre há algo para aprender. Sempre se aprofundar no Nei Ching, em Fitoterapia, em MTC, para aumentar nosso conhecimento. E finalmente, cuidar de seus pacientes como se fossem de sua própria família, com compaixão.

Fonte: GUIA LOTUS e revista Saúde e Longevidade