Acupuntura,  Artigos,  Fitoterapia,  Medicina Chinesa,  Qi Gong,  Saúde em geral,  Tui Na

A Interdependência dos Órgãos e Vísceras (Zang Fu)

Desde os primórdios do desenvolvimento das teorias e práticas da Medicina Tradicional Chinesa, especialmente compilados no Huang Di Nei Jing (黃帝内經), temos o entendimento que nossa fisiologia é especialmente comandada pelos Órgãos (Zang) e pelas Vísceras (Fu). Cada um destes possui um aspecto Yin, relacionado à sua forma, sua estrutura, sua base material e também um aspecto Yang, relacionado às suas funções, tanto físicas, conhecidas também pela medicina alopática, quanto energéticas, consideradas exclusivamente pela Medicina Chinesa.

Esse conjunto de funções e estruturas é visto tanto isoladamente como também interdependente entre si, ou seja, uma disfunção da nossa saúde pode ser decorrente do mal funcionamento funcional ou estrutural de um Órgão (Zang) ou Víscera (Fu), como também devido à influência de um deles no funcionamento do outro. O mais interessante é que todos relacionam-se mutuamente e portanto as Síndromes que envolvem mais de um Órgão (Zang) ou Víscera (Fu), na prática, são muito mais comuns do que as de um só.

Podemos pegar o exemplo da fisiologia do Pulmão, como entendida pela Medicina Chinesa: sua principal função é realizar a respiração, fazendo de forma eficaz tanto a troca gasosa, como a captação do Qi (Energia) do ar. Mas para realizar a inspiração, ponto mais crítico da respiração, ele depende do Qi (Energia) do Rim. Realizada a captação do Qi (Energia) do ar, o Pulmão forma o Qi (Energia) torácica, que irá para o Coração, onde acontecerá a união desta energia com o fluído do Sangue (Xue). Mas para formar um bom Qi torácico, o Pulmão depende do envio do Qi (Energia) Nutritivo feito pelo Baço, que é a energia extraída da alimentação, que por sua vez foi preparada pelo Estômago. Mas para que todas essas trocas energéticas aconteçam sem impedimento o Pulmão depende da manutenção do fluxo de todo o Qi (Energia) do corpo feita pelo Fígado sem impedimentos.

Esse é um recorte mínimo da nossa complexa fisiologia, como entendida pela Medicina Chinesa. É através dessa forma de compreender a saúde e a doença que conseguimos identificar uma origem comum a sintomas considerados muitas vezes desconexos pela medicina alopática.

Mas cada vez mais percebemos alguns sinais de que mesmo a medicina ocidental está retomando a visão de que nosso corpo é todo interdependente, como podemos ver nessa reportagem sobre o artigo científico publicado no Journal of the American Society of Nephrology, relatando uma pesquisa que mostra que pessoas com elevada taxa de descanso do batimento cardíaco são mais propensas a doenças renais.

6 Comments

  • Roberto Matsuda

    Oi Edgard,

    Muito legal a maneira como voce abordou este tema da Interdependencia dos Orgaos e Visceras. Fiquei com um gostinho de “quero mais”…. hahaha!

    Abraços

    Roberto Matsuda

  • Moacyr

    Ótimo texto Edgar.

    Em relação à matéria da Scientific American, sem dúvida é uma avanço, mas parece ser apenas um modesto passo, na minha opinião ainda muito longe de alcançar a abrangente e profunda visão da medicina chinesa…

    Abraço!

  • Adriana

    Boa tarde,

    Li seu artigo e fiquei com uma dúvida. A energia que circula nos meridianos é o Qi,mas tem nomes específicos relacionados com os locai onde circula. Seria correto dizer que a energia é o Zong Qi? E que a energia nutridora dos Zang Fu é Zhen Qi?

    At.
    Adriana

    • Edgar Cantelli

      Olá Adriana, tudo bom? Na verdade a energia que circula nos Canais e Colaterais (Jing Luo) são um tipo de Qi, chamado de Yiin Qi (Qi Nutritivo). Além de correr nos Canais na porção exterior do corpo onde ele é mais acessível (e por isso fazemos massagem ou acupuntura nessas regiões) ele também corre pelos Canais nos seus ramos profundos, chegando aos Órgãos e Vísceras (Zang Fu), fazendo com o que o Sangue (Xue) possa chegar corretamente nestes e, assim, nutrí-los. Mas é importante saber que possuímos vários outros tipos de Qi, como o Wei Qi (Qi de Defesa) que corre na superfície do corpo.
      Abraço,
      Edgar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *